“Mané Loureiro” – o artista anônimo de Cordeirópolis

  • 0
  • 84 views
inauguração

Esta reportagem também foi uma das principais do Jornal Expresso em 2008, onde trouxe toda a trajetória de um cordeiropolense que não media esforços para trazer o teatro. Portanto, o Portal JE10 republica essa reportagem a pedido de muitos leitores. Reforçamos que essa reportagem foi produzida e publicada no ano de 2008 pelo Jornal Expresso. Relembre esse grandioso cordeiropolense que moveu céus e terra para a arte teatral de Cordeirópolis.

 

Loja Barbosa (3)

É com esta frase do título que o companheiro e amigo de teatro Rubem Antonio Gomes de Aguiar, o “Rubinho” como é conhecido popularmente, descreve a pessoa de Manoel de Souza Loureiro Neto, o “Mané Loureiro” segundo depoimentos da irmã Maria Aurea Loureiro Vidoretti (in memoriam).

“O amigo o descreve como” artista anônimo” pelo fato do Manoel ter sido uma pessoa arrojada, e que na época não tinha apoio financeiro, mas sim colaboração dos amigos, que eram pessoas que gostavam dele e desejavam ver as peças teatrais. Sem recurso algum ele conseguia trazer sempre o teatro e com muito sucesso”, afirmou.

Diante de todas as dificuldades, “Mané” tinha mais uma dificuldade: possuía pouca audição e, portanto, durante os ensaios era preciso que os artistas ficassem de frente com ele, para assim fazerem a leitura labial. “Todos de nossa família possuem este problema, nós irmãs, primas, somos um pouco surdos, mas esse fato não impediu que o nosso irmão deixasse de fazer o que mais gostava, estar no teatro”, acrescentou a irmã Maria José Loureiro, 88 anos.

Criatividade não faltava para este simples cordeiropolense que tinha em seu currículo apenas o primário, mas com uma faculdade especializada em improvisos no que dizia respeito a cultura teatral.

Para a confecção das roupas dos figurinos, Manoel Loureiro ganhava tecidos das fábricas têxteis e ele mesmo costurava. Os cenários também tinham seus toques habilidosos. “Ele ia atrás até de empresários da cidade para pedir verba ou tecidos para fazer as roupas. Na época o senhor Jamil Saad e a dona Marta davam muitos tecidos, ou se não podiam doar tudo, vendiam bem mais barato. Quantas e quantas horas ele ficou na máquina costurando essas roupas, era uma dedicação total”, afirmaram as irmãs (em 2008).

Família simples – Apesar de sua riqueza quando o assunto era o teatro, Manoel tinha os pés alicerçados em uma família simples e humilde que sempre lutou para a sobrevivência.

“Nós sempre fomos simples e lutávamos muito, inclusive o Manoel tinha uma máquina de fazer tricô e fazia roupas pra vender e ajudar em casa. Com muito esforço dele e nosso fizemos nossa casinha em que moramos hoje, pois esse era o maior sonho de nosso papai. Ele era um grande irmão e companheiro”, destacou Maria José que morou por muitos anos em Brasília trabalhando como enfermeira.

Histórico: Manoel de Souza Loureiro Neto nasceu em 29 de outubro de 1929 e faleceu de Hepatite C, em 25 de abril de 1978.

Filho de João de Souza Loureiro Sobrinho e Otávia Beraldo Loureiro e mais os cinco irmãos: Maria José Loureiro, Irineu de Souza Loureiro (era conhecido como “Compadre Souza” – faleceu em 04 de dezembro de 2007), Yvone Loureiro, Maria Áurea Loureiro Vidoretti e Irene Loureiro que sobreviveu apenas três aninhos por causa de um câncer ocular.

Trabalhava como servente na escola Jamil e a sua paixão era o teatro, onde permanecia madrugadas adentro para costurar as roupas, construir os cenários e ensaiar, para depois no outro dia levantar cedo e ir trabalhar na escola.

Na família as duas irmãs que deram entrevista ao “Expresso Regional” em 2008, trabalharam no teatro, bem como a irmã Yvone chegou a dirigir uma peça sob o título “O boi e o burro a caminho de Belém”. “Inclusive nesta peça o Marquinhos Barroca que hoje atua em “Ibicaba, a terra prometida” também atuou quando era criança”, lembrou Maria Áurea.

Reconhecimento – Peças que foram apresentadas na Sede Social Católica, hoje salão paroquial da Paróquia de Santo Antonio, Cordeiro Clube, escola Jamil e até mesmo com algumas apresentações no antigo prédio “Cine Paulista” (onde hoje é a Acorac). Títulos como: “O louco da Aldeia” e “Sombra do passado” em 1956, “Luiz ou a cruz do juramento”, “Canção de Bernadete” e “Noite Feliz” em 1958, “Estela Mares”, “O Cego do Paraguai” em 1961, Rosas de Nossa Senhora” e “O mundo não me quis” em 1960, “Jesus Rei dos Reis” em 1961 e “Toda donzela tem um pai que é uma fera”, além da “Paixão de Cristo” onde chegou a interpretar Jesus Cristo na encenação e “Esta noite é nossa” foram peças marcantes, sendo que esta última rendeu prêmio de melhor interpretação aos atores Silvia Beraldo e João Ronquizelli no festival “Melhores do teatro Amador do interior.“As peças de 1956 até 1961 eram do nosso grupo Dramático São Luiz Gonzaga, mas o Manoel sempre participou, pois quando não estava se apresentando estava por trás dos bastidores, enfim, era presente em tudo o que se pensava do teatro”, acrescentou Moacyr Ribeiro.

A mesma opinião é partilhada por Osvaldo Donizete Hubner: “Manoel foi um homem de seu tempo e reuniu, em torno de si, do sabor que é um elenco teatral, os companheiros que, ao incorporar personagens, transmitiram o mundo em Cordeirópolis ou fora dele. Ele confeccionou, uniu, propôs, encantou, comunicou, pontificou gerações na arte teatral”.

Homenagem: Devido a importância do papel fundamental prestado por este cordeiropolense é que a Câmara Municipal, através do vereador Sérgio Balthazar Rodrigues de Oliveira (PT) e os demais vereadores aprovaram no dia 05 de maio o Projeto de Lei nº 40, o qual denominou o espaço situado no subsolo do Centro Cultural Ataliba Barrocas localizado no final da Rua Siqueira Campos (Subestação).

contato tintas
Kart em 1967 teve participação de Emerson Fitipaldi
Prev Post Kart em 1967 teve participação de Emerson Fitipaldi
Dia 16 inicia mais um curso em Cordeirópolis
Next Post Dia 16 inicia mais um curso em Cordeirópolis
Veja mais

Leave a Comment:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Link para o WhatsApp